jusbrasil.com.br
29 de Maio de 2020

Objetos estranhos esquecidos dentro do paciente durante uma cirurgia, o que devo fazer?

BAMBIRRA ADVOGADOS, Advogado
Publicado por BAMBIRRA ADVOGADOS
há 8 meses

Dra. Ananda Cardoso Rosa – Advogada no escritório Bambirra Advogados - OAB/GO 57.969

É comum nos depararmos com casos em que o paciente relata ter sido vítima de algum erro médico, mas, algumas vezes, lamentamos com maior pesar, tendo em vista se tratar de erro totalmente evitável.

O último caso que muito chamou atenção, foi de uma mulher que conviveu durante anos com uma compressa (tecido usado para secar sangue) dentro de seu corpo, sem saber ao menos de sua existência.

O que de fato ocorreu foi que durante cirurgia simples a que ela se submeteu foi esquecido, dentro da cavidade aberta da paciente, a referida compressa.

Assim durante anos esta sofreu com fortes dores, mas sempre associava a outras doenças. Afinal, como poderia imaginar que dentro de si havia um objeto estranho que fora esquecido por uma equipe médica?

Ora, o que realmente o consumidor espera quando contrata serviços médicos é a possibilidade de contar com atendimento médico de qualidade, quando afetada a sua saúde.

Nestes casos, é clara a vulnerabilidade do paciente, que pouco ou nada entende de Medicina, e confia que seja dispensado a ele, conforme exige o Código de Ética Médica, o melhor tratamento possível, com profissionais capacitados. É o mínimo que se espera, não é mesmo?

Infelizmente, nem sempre esta expectativa é atendida. Como no case acima, em que objetos estranhos são esquecidos dentro do paciente durante uma cirurgia, a exemplo de gazes ou agulhas, as consequências podem ser gravíssimas. Até mesmo pode chegar a um resultado trágico.

Juridicamente, esta situação é considerada prestação de serviço inadequada. É, ainda, caso de negligência e imperícia médica.

Seria, portanto, o médico, o único responsável? A resposta, em geral, é que não: o hospital também deve responder pelo dano causado. Vamos explicar.

As responsabilidades podem ser divididas neste processo entre Hospitais e Médicos, uma vez que o médico realiza a cirurgia dentro da estrutura física do hospital e com a equipe cirúrgica composta por auxiliares, enfermeiros e demais profissionais que são funcionários do hospital, consoante disciplina o Código de Defesa do Consumidor ambos podem ser responsabilizados.

Convém destacar que a responsabilidade pela guarda, verificação e checagem de materiais cirúrgicos, incluindo o que foi esquecido dentro do corpo do paciente, é da equipe cirúrgica, e, logo, também do Hospital.

O paciente poderá ingressar com ação judicial ou se, infelizmente, o paciente não resistir, a família poderá ajuizar Ação Judicial para receber a devida reparação pelos danos morais sofridos. A depender do caso concreto, poderá ser devido também danos materiais e estéticos.

Quanto aos valores das indenizações, estas são variáveis de acordo com o caso, mas de modo exemplificativo giram em torno de:

  • Em caso de morte, do dano moral entre R$ 200.000,00 a R$ 500.000,00 (duzentos a quinhentos mil reais), por membro da família que compõe o núcleo familiar;
  • Dano estético – entre R$ 30.000,00 a R$ 100.000,00 (trinta a cem mil reais);
  • Dano material e caso de invalidez permanente – neste caso será verificado quanto o paciente gastou com tratamentos médicos, reparadores, medicamentos e ainda, quanto deixou de ganhar, afinal a pessoa por muitas vezes fica incapacitada para trabalhar, assim recebendo apenas algum benefício previdenciário pelo INSS.

Portanto, o paciente ou seus familiares tem direito a devida reparação pelos graves danos e traumas sofridos, afinal o esquecimento de objetos estranhos dentro de uma pessoa pode gerar consequências irreversíveis, afinal trata-se da vida.

Assim caso você esteja passando por uma situação como essa ou conheça alguém que tenha sido vítima de erro médico, procure um advogado especializado ou a defensoria pública, para que o seu direito possa ser exercido!

3 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Parabéns pelo artigo! A título de colaboração, compartilho minha publicação "O valor do dano moral segundo o STJ"! Lá colaciono mais de uma centena de julgados, muitos por "erro médico". Grande abraço e sucesso = https://advogado1965.jusbrasil.com.br/artigos/671422334/o-valor-do-dano-moral-segundoostj continuar lendo

Quero aproveitar esta oportunidade para agradecer ao Dr. Padman. por me ajudar a recuperar meu amante depois que ele me deixou alguns meses atrás. Enviei amigos e meus irmãos para implorar por mim, mas ele recusou que tudo acabasse entre nós dois, mas quando conheci o Dr. Padman. ele me disse para relaxar que tudo vai ficar bem e realmente depois de apenas dois dias eu recuperei meu homem. muito obrigado Dr. Padman. aqui está o e-mail desse grande homem, se você precisar da ajuda dele, pode entrar em contato com [email protected] .... continuar lendo

Muito obrigada Wander! Parabéns pela sua publicação, esse tema é de grande relevância!

Sucesso!!! continuar lendo